Perseu Abramo apresenta situação das mulheres no Brasil

Fundação Perseu Abramo

A pesquisa Mulheres brasileiras e gênero nos espaços público e privado realizada em 2010 pela Fundação Perseu Abramo, por meio de seu Núcleo de Opinião Pública, e em parceria com o SESC, apresenta a evolução do pensamento e do papel das mulheres brasileiras na sociedade. Entre os temas abordados no estudo estão: Percepção de Ser Mulher:Feminismo e Machismo; Divisão Sexual do Trabalho e Tempo Livre; Corpo, Mídia e Sexualidade; Saúde Reprodutiva e Aborto; Violência Doméstica e Democracia, Mulher e Política.

No seu quarto capítulo, se deteve no tema Saúde Reprodutiva e Abortamento.  A pesquisa completa está disponível no link: http://bit.ly/lhsnSO.

Uma em cada quatro mulheres (25%) que já tiveram relações sexuais declarou já ter tido ao menos uma gravidez interrompida, seja natural (89%) ou provocada (16%) – taxas que em 2001 haviam sido, respectivamente, de 33%, 84% e 20%.

Apenas 4% assumiram agora já ter tido ao menos um aborto provocado (6% em 2001), mas metade (50%) afirma que “conhece pessoalmente alguma mulher que já fez um aborto” e uma em cada cinco (21%) assume ter na família alguma mulher que provocou aborto, com destaque para irmãs (5%) e primas (5%).

Entre os homens também 4% assumiram ter engravidado parceiras que abortaram; um em cada três (33%) afirma que “conhece pessoalmente” e 10% assumem ter na família alguma mulher que provocou um aborto.

As principais razões alegadas pelas entrevistadas para abortarem foram a falta de condições econômicas para ter um (ou mais um) filho (41%) e a falta de uma relação estável ou de apoio do homem de quem engravidaram (20%).

Cerca de metade das mulheres que confessaram ter recorrido a um aborto tiveram o apoio ao menos do parceiro que as engravidara, mas uma em cada três (37%) o fizeram sem apoio de qualquer pessoa próxima.

Duas em cada três (65%) afirmam ter sido as principais responsáveis pela decisão de abortarem (61% em 2001), 14% dizem que foi principalmente do parceiro que as engravidou (antes 8%) e 8% que a decisão foi de ambos (antes 18%).

Entre os homens que souberam e assumiram ter engravidado parceiras que abortaram, 55% afirmam que as mulheres foram as principais responsáveis pela decisão, 30% consideram que a decisão foi de ambos e 11% que foi principalmente delas.

A maioria das mulheres que assumiu ter abortado afirma ter provocado o aborto tomando algum fármaco industrializado (39%), como o Citotec, 29% recorreram a alguma clínica de abortos clandestinos (29%), 20% tomaram algum medicamento caseiro e 14% abortaram com parteiras ou ‘curiosas’.

De cada cinco mulheres que assumiram já ter tido aborto provocado apenas cerca de duas (38%) tiveram “acompanhamento ou orientação de algum médico ou farmacêutico ou de algum outro profissional de saúde” para abortarem e cerca de três passaram por alguma consulta de avaliação posterior (59%). Uma em cada três (30%) não teve orientação médica nem antes nem depois de abortar.

Entre as que procuraram assistência médica posterior, cerca de metade (53%) sofreu alguma das seguintes violências institucionais:

  • “perguntaram se tinha tirado o bebê e a trataram como suspeita” (34%);
  •  “não informaram sobre o procedimento que iam fazer” (22%);
  •  “disseram que tinha cometido um crime e ameaçaram denunciá-la à polícia (17%);
  •  “demoraram horas pra dizer se seria internada ou não” (16%);
  •  “a deixaram internada sem dar explicações” (14%);
  • “mostraram os restos do feto e disseram algo como ‘olha o que você fez’” (5%).
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s